Câmara Municipal de Vinhedo

Presidente Nil Ramos e Flávia Bitar participam de 2ª Sessão Ordinária do Parlamento Metropolitano da RMC em 2018

Encontro foi realizado na Câmara Municipal de Hortolândia

  • NR
  • NR-II

Presidentes de Câmara e vereadores da Região Metropolitana de Campinas (RMC) se reuniram na última sexta-feira, 13, em Hortolândia, para a 2ª Sessão Ordinária do Parlamento Metropolitano em 2018. O presidente da Câmara de Vinhedo e 2º vice-presidente do Parlamento, vereador Nil Ramos (PSDB), representou o Legislativo de nossa cidade acompanhado da vereadora Flávia Bitar (PDT).

Compôs a mesa diretiva, junto ao vereador Nil Ramos, o parlamentar indaiatubano e presidente do Parlamento Metropolitano, Hélio Ribeiro (PSB); o deputado federal Luiz Lauro Filho (PSB); o prefeito de Hortolândia, Ângelo Perugini (PDT); o deputado estadual Ênio Tatto (PT); do presidente da Câmara de Hortolândia e 1º Tesoureiro do Parlamento, Edmilson Marcelo Afonso, o Zaca (PTB); o presidente da União dos Vereadores do Estado de São Paulo (Uvesp), Sebastião Miziara; e Carla Lucena (PSDB), 3ª Secretária do Parlamento Metropolitano e presidente da Câmara Municipal de Nova Odessa.

O encontro teve como principais temas de debate a dependência química e primeiros socorros nas unidades escolares dos Municípios que compõem a região.

Dependência Química

O primeiro tema abordado durante a 2ª reunião de 2018 do Parlamento da RMC debateu o tema dependência química, abordado pela Assistente Social e Coordenadora Diocesana da Pastoral da Sobriedade, Joaquina Nadir Mattos e pelo Terapeuta Ocupacional e Agente da Pastoral, Carlos Morelli.

O objetivo do debate foi levantar questões pertinentes a todos os Municípios que compõem a RMC e encontrar formas de tratar dependentes e co-dependentes de drogas e demais dependências na região.

Para colocar o assunto em debate, os membros do Parlamento consideraram a importância do tema para inúmeras famílias e, claro, para os Municípios, já que a atuação do Poder Público Municipal é essencial em questões práticas, como leitos hospitalares, treinamento de equipes para atendimentos de emergência; entre outros.

“A dependência é um assunto que passa por questões sociais, de saúde e de educação, por exemplo, e não só pela questão da segurança pública. É muito importante a participação do Parlamento Jovem de Hortolândia nessa reunião, pois a conscientização deve vir da base”, destacaram os palestrantes.

Lei Lucas

A dor pela morte do menino Lucas se transformou na “Lei Lucas”, como ficou conhecido o projeto que tem tornado obrigatória a capacitação em primeiros socorros de parte dos professores e funcionários de instituições de ensino públicas e privadas e estabelecimentos de recreação infantil no País. O projeto nasceu após a morte de Lucas Begalli Zamora de Souza, de 10 anos, que morreu engasgado com um cachorro quente durante um passeio escolar.

A partir daí, a mãe do garoto, Alessandra Begalli Zamora e a tia, Andrea Zamora Bettiati, iniciaram um movimento de sensibilização para que fosse possível criar lei capaz de assegurar a presença de pessoas aptas a prestar atendimento inicial em casos de emergência. A proposta foi apresentada e aprovada primeiro em Campinas e agora se espalha pelo Brasil. “Transformamos a dor em luta”, lembrou Alessandra em sua apresentação, em Hortolândia.

A Lei sensibilizou os políticos e tem sido votada em tempo recorde, desde a morte de Lucas, em setembro do ano passado. A ação ganhou ainda o apoio de cidadãos de todo o Brasil e a página do movimento, criada em uma Rede Social, possui mais de 140 mil seguidores.

Em Vinhedo o projeto foi apresentado pela vereadora Flávia Bitar, que junto com Nil Ramos intermediaram para que Alessandra Zamora pudesse debater o tema no Parlamento Metropolitano.

De acordo com o relator do projeto em Brasília, o deputado Luiz Lauro, no ano de 2016, mais de 2.300 crianças de zero a 14 anos faleceram por causa da falta de pessoas habilitadas a prestar os primeiros socorros. Destas, mais de 800 foram por sufocamento, como o caso que aconteceu com Lucas. O projeto, apresentado pelos deputados Ricardo Izar (PP) e Pollyana Gama (PPS), estabelece que o curso seja promovido anualmente.

Pela Lei, os estabelecimentos também precisam dispor de kits de primeiros socorros, conforme orientação das entidades especializadas em atendimento emergencial à população. As instituições que não cumprirem a lei estarão sujeitas à notificação, multa, cassação do alvará de funcionamento em casos de estabelecimentos particulares e responsabilização funcional e patrimonial, quando a unidade for pública.

Próxima reunião

A próxima reunião do Parlamento da RMC acontece em maio, no Município de Jaguariuna, e irá debater, entre outros assuntos, uma rede capaz de zerar o número de atendimentos oftalmológicos nos municípios da região.


Fonte: Comunicação do Parlamento Metropolitano da RMC e Gabinete da presidência da Câmara de Vinhedo | Vereador Nil Ramos (PSDB)

 

Últimas Notícias

Flávia Bitar propõe criação da Procuradoria da Mulherleia mais

Nil Ramos e Ana Genezini pedem agilidade em contrato para recapeamento da Rua João Eduetaleia mais

No Dia do Guarda Municipal, vereador Carlos Florentino ressalta a dedicação da GCM de Vinhedoleia mais

Vereadores comentam trabalhos dos respectivos mandatos na 72ª Sessão Ordinárialeia mais

Vereadores prestigiam evento em reconhecimento aos produtores rurais da Festa da Uvaleia mais

Av. Dois de Abril, 78 - Centro -
Vinhedo/SP - CEP 13280-077


(19) 3826-7700


imprensa@camaravinhedo.sp.gov.br

Input Center Tecnologia