Câmara Municipal de Vinhedo

Prefeitura inicia campanha do Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio instituído no município por Lei de Carlos Florentino

Projeto de Lei que deu origem à campanha também foi assinado por Rui “Macaxeira” (PSB)

Desde 2017, no mês de setembro, anualmente a Prefeitura de Vinhedo promove o Setembro Amarelo, campanha de prevenção ao suicídio instituída pela Lei Ordinária 3.796/2017, de autoria do 2º secretário da Câmara, vereador Carlos Florentino (PV), e também assinada pelo vereador Rui “Macaxeira” (PSB).

A campanha de 2018 teve início nessa semana, por meio da distribuição de folhetos informativos, por parte da Secretaria de Saúde, que tratam de mitos e verdades em relação ao tema orientam a população em geral sobre como agir em caso de suspeita de que alguém planeja se suicidar.

A Lei, aprovada por unanimidade pela Câmara em 2017, foi elaborada por Carlos Florentino e assinada em conjunto pelo vereador Rui “Macaxeira” após o registro de vários casos de suicídio na cidade no início daquele ano. “No início de 2017, aconteceram vários casos de suicídios em Vinhedo, o que foi muito assustador, mas serviu de alerta para que desenvolvêssemos políticas públicas de prevenção às essas ocorrências”, explica Carlos Florentino.

O mês de setembro foi escolhido para a realização anual da campanha pelo fato do Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio ser celebrado em 10 de setembro.

Mitos e Verdades

O assunto, que ainda é um tabu para muita gente, está envolto a mitos.

Na cartilha da campanha estão especificados esses mitos em relação ao suicídio, como as crenças errôneas de que:

– Quem quer se matar não avisa;

– Matar-se é uma decisão individual (cada um sabe o que é melhor para si);

– Ambivalência é sinal de manipulação;

– Deve-se minimizar o problema com mensagens de falso apoio como: “do que você está reclamando? Você tem tudo!

– Falar sobre suicídio aumenta o risco.

Esses mitos contribuem para o aumento no registro de suicídios na cidade e em todo país, e devem ser combatidos

Algumas verdades sobre o suicídio, e que devem ser consideradas no apoio à quem cogita tal ato, são:

– Falar sobre o desejo de se matar é um pedido de ajuda;

– Doença mental relaciona-se com suicídio em 90% dos casos. Afeta a percepção de realidade e o livre arbítrio;

– Ambivalência é a expressão do conflito Viver/Não Viver;

– É preciso entender que a dor de cada um é muito particular;

– Falar sobre o suicídio é abrir um cana de escuta, propicia alívio de angústia e tensão.

Sinais para se atentar e o que fazer para ajudar

Alguns sinais podem indicar que determinada pessoa está cogitando o suicídio, como o registro de tentativas anteriores, acesso aos possíveis meios de suicídio (cordas, venenos, lugares altos, armas etc), estigmas e os 4D de alertas: depressão, desespero, desesperança e desamparo.

Para cada morte por suicídio ocorrem ao menos 20 tentativas, é preciso estar atento.

Caso seja detectado que determinada pessoa pretende se matar, devemos oferecer escuta, ser empático, e direcionar para os serviços de saúde da cidade por meio dos telefones:

UPA – 192

CAPS – (19) 3826-3986

Psicologia CASM – (19) 3836-3790

Psicologia Planalto – (19) 3876-1841

CVV – 188


Fonte: Gabinete do vereador Carlos Florentino (PV)

Enviar comentário

Últimas Notícias

Câmara aprova projeto que prevê substituição de materiais plásticos descartáveis por biodegradáveis no âmbito da administração municipalleia mais

Vereador Rui Macaxeira confere entrega de títulos de propriedade às famílias do CDHUleia mais

CPI da “massa asfáltica” protocola ofício na Prefeitura concedendo novo prazo para envio de documentação pendenteleia mais

Nil Ramos solicita construção de pista de skate no Parque Ecológico da Capelaleia mais

Confiabilidade de radares volta a ser questionada por Rodrigo Paixãoleia mais

Av. Dois de Abril, 78 - Centro -
Vinhedo/SP - CEP 13280-077


(19) 3826-7700


imprensa@camaravinhedo.sp.gov.br

Input Center Tecnologia